Inteligência Artificial: Chatbot Maker recebe aporte de 1,5 milhão da KPTL

Taís Barros Bezerra
28/6/2021

Olá, querido leitor! É com muita alegria que anunciamos que a Chatbot Maker está recebendo o investimento de 1,5 milhão de reais de uma das maiores gestoras de Venture Capital do Brasil, a KPTL

A Chatbot Maker, startup cearense que começou como um projeto realizado no terceiro turno de trabalho dos sócios Thiago e Marlos, passou por diferentes modelos de negócio desde sua fundação, e hoje recebe investimento da KPTL com recursos do Fundo Criatec 3, criado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES). Entre os cotistas do Fundo, também estão: o Banco do Nordeste (BNB) e mais nove organizações.

Thiago Amarante e Marlos Távora se conheceram em 2008, chegaram a criar outras três startups juntos (iuPlace, VilleApp e Spotchat) e  fundaram a Chatbot Maker em 2017.

Ao longo dos 4 anos de existência, a startup passou por investidores anjo e agora, em 2021, conseguiu aporte para aprimorar os algoritmos sofisticados da Inteligência Artificial (IA) desenvolvida e utilizada pela empresa, a Suri.

Marlos Távora, COO da Chatbot Maker, e o primeiro sócio a trabalhar em tempo integral na startup, fala sobre as experiências anteriores:

 

“As três startups que fundamos foram importantes para amadurecermos, não à toa foi estratégico pensar em ajudas como a do Banco do Nordeste (BNB). Foram essas iniciativas que fizeram a gente chegar aqui. Estamos muito animados com a KPTL porque sabemos que a maturidade que alcançamos foi um fator de atração do investimento.”


Suri: Inteligência artificial (IA) robusta e descomplicada

No início da empresa, a equipe fazia chatbots – robôs programados com Inteligência Artificial (IA) – sob demanda, ou seja, os clientes explicavam a demanda para eles e, a partir disso, a equipe produzia um chatbot totalmente personalizado

Com esse modelo de negócio, a startup foi evoluindo e criou mais de 200 chatbots, no entanto, com o crescimento da empresa e o alto volume de demanda dos clientes,  esse modelo individual de criação se tornou inviável, estava na hora de ir além.  

Então, em 2020, pensando em escalar o negócio e em atender, principalmente, as pequenas e médias empresas, eles criaram a Suri, uma IA robusta - que consegue entender e classificar as intenções dos clientes, tornando-se bem mais efetiva - e financeiramente acessível.

O novo modelo de negócio conseguiu catapultar a empresa de seus 25 clientes à época,  para os cerca de 200 clientes atuais.


“Nós somos uma empresa que é a voz de outras empresas, que personifica a outra empresa em um atendimento automatizado e inteligente”, explica Thiago Amarante, CEO da Chatbot Maker. 


Thiago ainda acrescenta que “O grande diferencial é que a Suri é uma inteligência artificial, um recurso que as pequenas e médias empresas vão poder usar para dar um atendimento automatizado de excelência para os seus clientes. Cada vez mais as empresas precisarão estar dentro desses canais, e nós estaremos lá para ajudá-las a fazer isso de forma excelente e automatizada”.

A Suri é uma IA em que o cliente só precisa conectar e usar, assim como a Alexa, a Inteligência Artificial da Amazon. Quando o cliente adquire os serviços da Suri, basta que ele cadastre algumas informações da empresa no sistema para poder começar a usar a tecnologia de maneira totalmente personalizada. 

Além disso, a IA da Chatbot Maker é conectada a uma plataforma de atendimento que ajuda a empresa a gerenciar e otimizar o suporte ao cliente, ou seja, as empresas podem ter vários atendentes usando a mesma fonte de contato, o Whatsapp, por exemplo.

Os clientes da Chatbot podem optar por automatizar o atendimento com a Suri até certo nível e, no momento que o cliente desejar, pode ser redirecionado para o contato com um atendente.  

O aporte financeiro proporcionado pela KPTL chegou para impulsionar a Chatbot Maker em três eixos:

  • Melhorar a inteligência da Suri, colocando-a em novas verticais de negócios
  • Permitir que ela atue em novos canais de comunicação, principalmente o Instagram
  • Multiplicar por cinco o número de assinantes da Suri, alcançando 1.000 clientes em até 12 meses

“Acompanhamos a evolução da empresa há três anos. São excelentes empreendedores, conectados em uma forte tendência de automatização do atendimento. Eles desenvolveram um conhecimento profundo na área e conseguiram aplicá-lo para pequenas empresas com sucesso”, afirma Gustavo Junqueira, sócio-fundador e COO da KPTL.



Democratização da tecnologia 

Quando falamos em democratização da tecnologia, estamos nos referindo ao fato de que há uma desigualdade quando o assunto é acesso às tecnologias de informação e comunicação, e que atitudes precisam ser tomadas para diminuir essa disparidade e garantir a todos o acesso à tecnologia.

Enquanto startup e instituição que visa revolucionar as formas de comunicação, uma das preocupações da Chatbot Maker é garantir que pequenas e médias empresas tenham acesso a uma tecnologia como a inteligência artificial que, muitas vezes, se torna inacessível devido à sua complexidade de instalação e ao alto valor desses processos. 

Em entrevista concedida à revista Exame, Thiago Amarante explica que hoje o mercado oferece opções escassas para empresas que querem ter uma inteligência artificial. “Hoje, ou uma empresa precisa fazer a contratação de uma empresa terceirizada - o que é demorado e caro - ou ela mesma precisa construir seu chatbot, o que não é um processo fácil e também custoso”, diz Amarante.

Por isso, a Chatbot vem trabalhando para entregar uma inteligência artificial robusta, prática de usar (é só conectar e usar) e acessível (com planos a partir de R$290,00).

Thiago Amarante explica que um dos sonhos dele é conseguir colocar o rapaz que te atende na barraca de praia para atender os clientes com a Suri, ali pelo celular mesmo, sem precisar de um desktop para isso.

Os sócios e empreendedores seguem firmes na missão da empresa, sempre com a intenção de produzir um trabalho relevante e com verdadeiro impacto no mundo.

Atualmente, a Chatbot Maker atende empresas de todos os tamanhos, porém, com a Suri, a missão é levar tecnologia de maneira acessível para as pequenas e médias empresas, cobrando cada vez menos pelo serviço de Inteligência Artificial. 

Se, por um lado, a Chatbot atende empresas do porte da Prefeitura de Fortaleza, por exemplo, que utiliza a Suri para chamar a população para vacinar-se contra a Covid-19, também atende grandes empresas como a Unimed Fortaleza e a rede de drogarias Pague Menos, os clientes menores também encontraram na Chatbot uma tremenda aliada. Companhias como a João Financeira, a Xis Internet, a OP Contabilidade e Doce Gula Confeitaria conseguem dar atenção a quem procura seus serviços e assim efetivar potenciais clientes.


Lições aprendidas no mundo das startups

A trajetória dos amigos e empreendedores já tem alguns anos, tempo suficiente para que eles pudessem passar por muitos perrengues, momentos de felicidade e aprendizados.

Em 2012, por exemplo, Thiago e Marlos fizeram a primeira captação para um projeto. Eles criaram um plano de negócios e apresentaram para o dono de uma empresa, e ele topou investir no negócio. Naquela época, eles captaram R$185 mil reais, o que era muita grana para o momento em que viviam.

De 2012 para cá, os dois somente passaram 4 meses sem empreender, e afirmam que não gostaram nem um pouco desse período de pausa nos projetos, afinal, a veia empreendedora os motiva fortemente. Alguns dos principais aprendizados que eles destacam são:


  • A importância da gestão, seja ela de dinheiro, tempo ou equipe;
  • Ter foco é sempre muito importante;
  • Velocidade para testar o que precisa ser testado;
  • Feito é melhor do que perfeito.


O projeto iniciado no terceiro turno de trabalho de dois amigos empreendedores vem tomando novas proporções ao longo dos anos, e a projeção é que continue a impactar fortemente o cenário das pequenas e médias empresas no Brasil.